"> Jovens dormindo menos motiva as doenças cardíacas ⋆ Revista Império

Jovens dormindo menos motiva as doenças cardíacas

Jovens dormindo menos motiva as doenças cardíacas

Atualmente, os adolescentes estão dormindo menos e isso pode torná-los mais propensos a sofrer doenças cardíacas quando adultos.

Nos últimos 20 anos, a quantidade de sono que os adolescentes dormem caiu significativamente. Apenas cerca de metade deles dorme regularmente mais de sete horas, com os adolescentes mais velhos dormindo menos que os mais jovens – o que, considerando que a quantidade recomendada é de oito a dez horas, é uma má notícia.

Esta é uma má notícia por todos os tipos de razões. Nossos corpos precisam dormir. Quando dormimos menos, não apenas somos irritadiços, como também somos menos capazes de aprender novas informações, nossos tempos de reação são mais longos, podemos ter alterações comportamentais ou problemas de saúde mental – e isso afeta nossa saúde.

Em um estudo publicado recentemente na revista Pediatrics, os pesquisadores analisaram os hábitos de sono de 829 adolescentes entre 12 e 16 anos, com idade média de 13 anos. Eles descobriram que um terço deles dormia menos de sete horas todas as noites e, quase metade deles estava totalmente adormecida por menos de 85% do tempo de sono noturno.

Mas aqui é onde fica preocupante. Os pesquisadores descobriram que aqueles que dormiram menos tinham maior probabilidade de ter uma “pontuação de risco metabólico” alta. Eles tinham mais probabilidade de ter gordura da barriga, pressão alta e lipídios sanguíneos anormais, além de resistência à insulina, algo que aumenta a risco de diabetes.

Portanto, não apenas os adolescentes privados de sono são mais propensos a se saírem mal na escola, ficarem deprimidos e sofrerem acidentes de carro, como também são mais propensos a sofrer de doenças cardíacas quando adultos.

Embora a lição de casa, outras atividades e os horários de início da escola certamente contribuam para que os adolescentes durmam menos, o maior culpado parece ser o de dispositivos eletrônicos. A luz azul emitida a partir deles pode acordar o cérebro, dificultando o sono (a configuração “Turno da noite” nos telefones não resolve totalmente esse problema) – mas mais comumente, os adolescentes simplesmente ficam acordados até tarde usando-os.

Isso exige ação! Não podemos simplesmente nos sentar e dizer que “os adolescentes serão adolescentes” quando se trata de dormir – não quando sua saúde futura está em risco.

Aqui está o que os pais podem fazer:

  • Faça uma regra de que os dispositivos eletrônicos são desligados uma hora antes que o adolescente precise adormecer (ou seja, oito a dez horas antes de precisar acordar). É melhor que eles sejam cobrados fora do quarto, para que não haja tentação de responder aos alertas. Uma segunda opção é ter telefones em “Não perturbe”, que acalma todos os alertas, exceto os alarmes (embora comprar um despertador seja uma alternativa viável que muitas pessoas esquecem hoje em dia).
  • Aplique esta regra.
  • Priorize o sono! Sente-se com seu filho e veja como o tempo deles é gasto e mapeie o dia para que eles possam ir para a cama a tempo. Se o dever de casa e outras atividades impossibilitarem dormir pelo menos oito horas, então algo precisa dar. A saúde física e mental precisa ser mais importante do que o que eles estão fazendo, em vez de dormir.
  • Apoie os esforços da comunidade para que haja horários de início do ensino médio. Os adolescentes são biologicamente conectados para adormecer tarde e dormir tarde e, quando os fazemos acordar muito cedo para a escola, estamos apenas piorando tudo.

Queremos que nossos filhos tenham um bom futuro. É por isso que conversamos com eles sobre como evitar tabaco, drogas e álcool, sobre trabalhar duro na escola e evitar problemas. E é por isso que precisamos conversar com eles também sobre o sono.

administrator

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *